17/09/2009

.

Não creio

Que me façam feliz:

Sob o receio

De chumbo no céu próximo

Alguém executou as diretrizes

De um plano óbvio.

Um amigo acena: ao longe, brandamente...

 

Estar aqui, não por ser triste,

Mas por, agora,

Sermos o fogo que nos devora

De pura rebeldia a sequiosa voz.

Dois escravos libertos

Para acordar o sono atormentado

Como um porto, a soave

Mentira.

Sem comentários:

Enviar um comentário